pt

Terroir

Geologia e localização vitícola na Região Demarcada do Dão Geologia e localização vitícola na Região Demarcada do Dão
Hidrografia e localização vitícola na Região Demarcada do Dão Hidrografia e localização vitícola na Região Demarcada do Dão
Hipsometria e localização vitícola na Região Demarcada do Dão Hipsometria e localização vitícola na Região Demarcada do Dão
Declives e localização vitícola na Região Demarcada do Dão Declives e localização vitícola na Região Demarcada do Dão

As vinhas estão instaladas em terrenos de baixa fertilidade, predominantemente graníticos com diversos afloramentos xistosos que surgem a sul e a poente da Região. Ainda que se encontre implantada em altitudes que rondam os 800 metros, é entre os 400 – 500 que vegeta em maior quantidade.

O acidentado do terreno, circundado por um conjunto de grandes serras que o protegem das influências exteriores (a poente encontra-se a serra do Caramulo, a sul a luxuriante Buçaco, a norte a serra da Nave e a leste a imponente Estrela), constituem uma importante barreira às massas húmidas do litoral ou aos agrestes ventos continentais. O minifúndio e a exuberante vegetação com verde de todas as tonalidades, que vai alternando com rocha, contribuem para o quase anonimato da vinha na paisagem. E, no entanto, as videiras estão lá plantadas em cerca de 18.000 hectares, numa área geográfica de 388 000 hectares onde as gentes do Dão aproveitam as excelentes condições edafo-climáticas para explorar a sua ancestral aptidão agrícola.

A rede hidrográfica da Região caracteriza-se por um traçado rígido indicando um ajustamento claro à estrutura do relevo por onde correm os três principais rios da região – O Dão, o Mondego e o Alva – cujos cursos apresentam um grande paralelismo enquanto percorrem todo o maciço granítico. 

Texto e figuras extraídos de: A base de dados da CVR do Dão, relativos à atribuição da Denominação de Origem no período de 1998 a 2004, como ferramenta de conhecimento da Região e do Setor. Universidade Técnica de Lisboa. Lisboa 2008. Autor: Carlos da Costa Silva

Solo

Caracterísiticas do solo:
  • Baixa fertilidade, principalmente granítico: 97%
  • Alta taxa de infiltração
  • Baixa retenção de água
  • PH ácido
  • Baixos níveis de matéria orgânica quando crescidos
  • Baixo teor de fósforo
  • Teores médios de potássio

Clima

Temperaturas medias diárias e localização vitícola da Região Demarcada do Dão Temperaturas medias diárias e localização vitícola da Região Demarcada do Dão
Insolação e localização vitícola na Região Demarcada do Dão Insolação e localização vitícola na Região Demarcada do Dão
Precipitação media anual e localização vitícola na Região Demarcada do Dão Precipitação media anual e localização vitícola na Região Demarcada do Dão

O clima, não obstante ser temperado, é frio e chuvoso no Inverno e muito quente e seco no Verão, contudo há muitas variações microclimáticas de grande importância para a qualidade dos vinhos, onde se enquadram as sub-regiões de Alva, Besteiros, Castendo, Serra da Estrela, Silgueiros, Terras de Azurara e Terras de Senhorim.

Clima Temperado: Rígido e chuvoso no inverno e muito quente no verão.

Precipitação Anual: Média entre (1200 – 1300) mm e 80% ocorre entre Outubro e Abril.

Temperaturas Médias: Mensais entre 18º e 20ºC. As temperaturas máximas são superiores a 28º – 30º C.

Geada: Em Março, Abril e Maio, pode causar danos ao desenvolvimento da videira, influenciando muito o rendimento dos anos seguintes.

Insolação: Cerca de 2500 horas/ano – as temperaturas médias de meses quentes (junho a agosto) são bastante favoráveis ao desenvolvimento da uva e maturação da uva.

Texto e figuras extraídos de: A base de dados da CVR do Dão, relativos à atribuição da Denominação de Origem no período de 1998 a 2004, como ferramenta de conhecimento da Região e do Setor. Universidade Técnica de Lisboa. Lisboa 2008. Autor: Carlos da Costa Silva